ESPIÕES DE TALENTO – Anthony Carter

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en portugués de Portugal. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

 

  • NOME: Anthony Carter
  • NASCIMENTO: 31-08-1994 (23 anos),
  • PAÍS DE NASCIMENTO: Austrália
  • PÉ PREFERENCIAL: Direito
  • ALTURA: 190cm
  • PESO: 80Kg
2017/2018
  • JOGOS: 15
  • GOLOS: 5
2016/2017
  • JOGOS: 26
  • GOLOS: 15

 

Pontos fortes
  • Duelos no ar
  • Execução técnica
  • Sentido de baliza

 

O australiano, nº 99, chegou a época passada ao Trofense vindo da primeira divisão da Roménia, onde esteve ligado ao Cluj durante 3 épocas, tendo atuado poucos minutos ao serviço dos romenos. Este ano conta com a companhia no plantel de outro australiano, Gavin Niese, também na foto. Na época anterior, nesta fase, Carter já tinha apontado 8 golos, mais 3 do que os registados até ao momento. Ainda assim, é certo que o rendimento da equipa também não tem sido tão positivo este ano.

Na proximidade de uma nova janela de mercado o seu nome tem sido especulado para alguns emblemas de primeira liga, inclusive o SL Benfica e o Vitória SC. Carter pode seguir os passos de Alan, que no último defeso seguiu da AD Fafe para o clube da Luz. É a aposta dos clubes de maior dimensão em torno de uma posição cada vez mais escassa no futebol português.

A sua presença em campo é notória desde logo pela sua estatura, a qual pode ser no imediato associado a um jogo mais físico e da procura de duelos no ar, os quais o australiano por norma tira boa vantagem, mas este marca a diferença também pela execução técnica, onde com facilidade executa de pé direito, o seu preferencial, mas também com pé esquerdo. Liga-se com facilidade com os seus colegas através de passe, mas apresenta também características propícias à condução de bola.

Taticamente peca pela sua organização. Sendo um jogador com alguma mobilidade, procura participar e envolver-se fora da sua posição, mas ao fazê-lo perde o seu espaço de referência e depois exibe uma menor celeridade em reposicionar-se. Tem atuado como ponta-de-lança numa estrutura tática com apenas um jogador mais adiantado e dois extremos que procuram alimentar as suas potencialidades no momento da finalização. Já experienciou também jogar nas alas, mas em níveis competitivos superiores será certamente como ponta-de-lança que poderá singrar.

Recommended Posts